0 C
Franca, BR
setembro 25, 2020
Agricultura ARTIGOS TEC.

Pulverização: Cafeicultura exige bico certo

A tecnologia de aplicação de produtos fitossanitários é uma das grandes responsáveis pelos aumentos na produtividade, assim como na sustentabilidade das aplicações. Há diversos fatores a se analisar dentro da tecnologia de aplicação, como a característica do produto fitossanitário, equipamento pulverizador, alvo biológico e efeitos climáticos. Dentre esses fatores, os bicos de pulverização são de extrema importância e que, muitas vezes, são esquecidos ou mal utilizados.

O bico de pulverização refere-se ao conjunto de componentes que auxiliam significativamente em uma aplicação correta. De modo geral, o bico de pulverização compreende as seguintes partes: corpo do bico, anel de vedação, filtro, ponta de pulverização e a capa protetora.

Cada componente do bico exerce uma função importante. Hoje em dia há variações quanto ao número de pontas, material de fabricação, uso de válvulas solenoides, sensores, entre outros. O elemento filtrante (filtro) e a ponta são os dois componentes que normalmente merecem mais atenção no quesito técnico, podendo variar seu uso quanto ao tipo de aplicação, produto fitossanitário, cultura e até mesmo as condições climáticas.

O bico de pulverização exerce função fundamental quanto à eficiência de aplicação e sustentabilidade econômica e ambiental: o agricultor terá maior garantia de que o produto vai atingir o alvo desejado de forma correta, com a quantidade mínima de produto necessária, sem desperdícios e evitando atingir alvos não desejáveis.

Manejo de aplicação na cafeicultura

Como a maioria das grandes culturas, a cafeicultura é altamente dependente do uso de produtos fitossanitários, sendo a sexta cultura com maior consumo desses produtos.

Um dos grandes responsáveis pela necessidade do uso de produtos fitossanitários são: bicho-mineiro, cigarras, brocas do fruto, ferrugem, cercosporiose, ácaros e plantas daninhas. Com exceção das aplicações de produtos granulados na forma sólida, a maioria das aplicações é realizada por meio de turbo pulverizadores e barras hidráulicas.

As aplicações por meio das barras hidráulicas são mais utilizadas para aplicações de herbicidas, enquanto os turbo pulverizadores são utilizados para aplicações de inseticidas, acaricidas, fungicidas e fertilizantes.

Geralmente, as aplicações de herbicida utilizam pontas que irão produzir gotas grossas e muito grossas, com pontas com indução de ar e pressões de trabalho menores. Por outro lado, os turbo pulverizadores utilizam pressão de trabalho muito maior e com pontas que vão gerar gotas mais finas, como as pontas de cone vazio.

Atualmente, as aeronaves e vant’s estão ganhando espaço, principalmente considerando a topografia de difícil manejo em que parte dos cafezais estão localizados. Independente do sistema utilizada para aplicação, o tamanho de gotas deve ser corretamente planejado e selecionado para cada tipo de aplicação.

Manejo

Primeiramente, o aplicador deve manter uma rotina de inspeção e limpeza dos bicos de aplicação, bem como de todo o pulverizador. Com isso, é importante checar o estado de manutenção dos corpos do bico, capas e anéis de vedação.

Da mesma forma, é necessário realizar limpezas do sistema de pulverização rotineiramente, especialmente após o uso de produtos corrosivos e que tendem a entupir, como produtos com formulação de difícil solubilização ou com risco de incompatibilidade em mistura em tanque.

O filtro é responsável pelo controle das partículas que podem impedir o fluxo da aplicação, como por exemplo, sujeiras na barra ou na água utilizada. Os filtros são classificados pelos mesh, ou seja, pelo tamanho das malhas. Quanto maior o mesh, maior a filtragem.

Diversos modelos de filtros estão disponíveis no mercado, sendo os mais comuns os filtros de 50, 80 e 100 mesh. O aplicador deve sempre observar as recomendações do filtro a ser utilizado, variando conforme o modelo da ponta de pulverização. Em seguida, o aplicador deve considerar o tipo de aplicação que será realizada, como por exemplo, para utilização de fungicidas, herbicidas, inseticidas, fertilizantes etc.

Além disso, deve-se considerar o tipo de pulverizador: aplicação com barra hidráulica, turbo pulverizador ou aeronaves. Para cada produto a ser aplicado haverá uma recomendação quanto ao tamanho de gotas, também conhecido como espectro de gotas.

Condições específicas

Para aplicações de herbicidas em pré-emergência ou produtos que são sistêmicos na planta, recomenda-se gotas de diâmetro média a grossas (> 200 µm de diâmetro). Nesse caso, é possível manter a eficiência do produto mesmo com menor cobertura de aplicação devido ao maior tamanho de gotas, reduzindo a dispersão das gotas no alvo. Isso porque produtos sistêmicos vão se movimentar pela planta e realizar sua função.

Além disso, para herbicidas recomenda-se utilizar pontas com tecnologia para diminuir o risco de deriva. Nesses casos, o produtor pode utilizar pontas de pulverização com tecnologia de indução de ar, normalmente de jato plano.

Quando se trata de produtos de contato, em que não há a movimentação do produto pela planta e/ou há a necessidade da maior cobertura possível do alvo biológico, recomenda-se o uso de gotas finas a médias (de 150 a 300 μm de diâmetro). Com isso, gotas menores irão proporcionar maior cobertura e penetração da aplicação no dossel do cafeeiro.

Outro ponto importantíssimo é evitar ao máximo gotas menores que 150 µm de diâmetro que, por serem tão pequenas, são altamente propensas à deriva. Para produzir gotas finas a médias, normalmente usa-se pontas com jato cônico (vazio ou cheio) e com pressões de trabalho mais elevadas.

De ponta a ponta

O aplicador deve se atentar à recomendação de cada ponta e cada aplicação. Nos catálogos de cada ponta de pulverização devem constar informações quanto ao tamanho de gotas e para que tipo de aplicação é recomendada. É essencial a realização da calibração dos pulverizadores, independentemente do tipo utilizado.

Além disso, é preciso utilizar a velocidade e faixa de aplicação indicado para cada sistema. Quando o produtor negligencia as recomendações de cada ponta, como alterar a pressão, altura de barra inadequada, efeitos ambientais, ou até mesmo escolhe o bico de pulverização errado, poderá diminuir significativamente a eficiência da aplicação, como também aumentar o risco de deriva. Portanto, haverá perdas financeiras para o produtor.

Em campo

A escolha correta do tamanho de gota e da ponta de pulverização a ser utilizada pode trazer resultados significativos para o produtor. Levando em consideração que as pragas do cafeeiro podem reduzir drasticamente a produtividade, é evidente a necessidade de aplicação eficiente e um bom controle.

Segundo a Embrapa, estima-se que altas incidências de bicho-mineiro ou broca-do-café podem acarretar reduções de mais de 50% à produtividade do cafeeiro. Outro estudo realizado por Gitirana Neto e Cunha (2016), avaliando a eficiência das pontas no controle do bicho-mineiro, observaram um aumento de quase 20% no controle da praga utilizando ponta de jato cônico vazio, demonstrando a importância da escolha da tecnologia correta no resultado final do controle das pragas.

Há diversos relatos que apresentam os efeitos das pontas de pulverização na eficiência de controle e produtividade do cafeeiro. Scudeler e colaboradores (2004) constataram diferença na cobertura da pulverização do cafeeiro quanto à ponta utilizada.

A utilização de pontas de jato cônico em turbo pulverizadores promoveu maior penetração no dossel, produzindo gotas mais finas e maior cobertura do alvo. Similarmente, Fernandes e colaboradores (2010) observaram maior cobertura de pontas de jato cônico (gotas médias a finas), podendo gerar maior controle do ácaro da mancha anular no cafeeiro.

Ademais, autores relatam também o uso de indução de ar juntamente com jato cônico vazio, resultando em aumento de cobertura do dossel (Da Silva, 2013). Por outro lado, para herbicidas há diversos pesquisadores que demonstram a vantagem de se utilizar pontas que produzam gotas mais grossas e com indução de ar, diminuindo os riscos de deriva, especialmente quando utilizados herbicidas não-seletivos para o cafeeiro.

Erros

Entre os erros mais frequentes, podemos citar:

ð Uso de pressão de trabalho inadequado;

ð Falta de calibração do pulverizador;

ð Uso negligenciado de pontas (diferentes pontas e filtros);

ð Falta de manutenção do pulverizador e bicos de pulverização;

ð Taxa de aplicação inadequada ao alvo da aplicação e estádio de desenvolvimento;

ð Distância do alvo do equipamento aplicador e do alvo da aplicação incorretos.

Para não incorrer nesses erros, o aplicador deve se assegurar de que todos os equipamentos estão calibrados para a aplicação, como utilizar a pressão indicada para a ponta, taxa de aplicação, altura de barra ou distância do alvo e velocidade de aplicação.

Com isso, certificar que todas as pontas e filtros do pulverizador estejam de acordo com a aplicação e sejam iguais. A maioria dos erros pode ser evitada com uma rotina de manutenção e limpeza dos equipamentos, além da utilização de materiais de qualidade.

É recomendado ter uma boa preparação e treinamento do aplicador, diminuindo os riscos de erro e, por consequência, aumentando a eficiência das aplicações.

Vale a pena?

O custo de cada ponta pode variar de R$ 15,00 até valores superiores a R$ 60,00, conforme a qualidade do material, tipo de ponta e fabricante. Pontas com qualidade superior, como as pontas feitas de cerâmica, são mais caras, porém, possuem maior durabilidade. Assim, o produtor deve analisar o tipo e a frequência de aplicação para determinar a qualidade de ponta a utilizar: se um produtor irá utilizar com produtos mais abrasivos (como fertilizantes) e em alta frequência, serão mais vantajosos produtos com maior qualidade e maior durabilidade.

O custo da ponta de pulverização ideal para cada aplicação será mínimo em relação ao que será investido pelos defensivos. Considerando, ainda, que haverá aumento da eficiência de aplicação aliada à redução do risco de deriva, com menor perda de produto, o custo-benefício de se investir em novas pontas de aplicação é favorável ao produtor. Portanto, é vantajoso se atentar a essas informações e segui-las no dia-a-dia da aplicação, podendo aumentar a eficiência e diminuir custos.

Autores

Raphael Mereb Negrisoli – r.negrisoli@unesp.br

Roque de Carvalho Dias – roquediasagro@gmail.com

Matheus Mereb Negrisoli – matheusmnegrisoli@gmail.com

Vitor Muller Anunciato – vitor.muller@gmail.com

Leandro Bianchi – leandro_bianchii@hotmail.com

Related posts

Colômbia criará fundo para socorrer cafeicultores por preços baixos

Fabrício Guimarães

RENOVAÇÃO DOS CANAVIAIS RESULTA EM SAFRA MAIOR

Fabrício Guimarães

Indústrias com SIF poderão receber leite de laticínios com selo de inspeção municipal ou estadual

Deixe um comentário