0 C
Franca, BR
julho 27, 2021
Agricultura

O recebimento mais ágil e seguro da Alta Mogiana está aqui! Fundação COCAPEC

Rapidez no desembarque, segurança no armazenamento, controle total dos lotes e estruturas adequadas são apenas alguns dos elementos que faz o sistema de processamento de café da Cocapec o mais eficiente de toda a região. A cooperativa possui o mais completo e cuidadoso trabalho com os grãos da Alta Mogiana, e realiza com profissionalismo todas as etapas, do recebimento até a comercialização da safra.

A balança é o primeiro passo no caminho do café dentro da cooperativa. Acompanhada de sempre da nota fiscal, a carga é pesada e todos os dados são colocados no sistema como nome do cooperado, número da NF, propriedade, e em seguida é gerado o número de lote. Vale lembrar que todas as balanças são aferidas pelo INMETRO.

Na sequência, o caminhão se dirige a área de desembarque, que é feito por ordem de chegada, e o descarregamento é efetuado de acordo com o modo que o café foi trazido (big bag ou granel) e também com o tipo de veículo (caminhão tradicional ou basculante). O escoamento é rápido e tudo acompanhado atentamente pela sala de operações, localizada no armazém. O caminhão já vazio retorna a balança onde é novamente pesado e liberado, e assim fica disponível para fazer outro transporte. Até este momento, todo o processo levou em média 38 minutos.  Esta agilidade colabora com os ganhos dos caminhoneiros como Ademir Carlos Berteli, que trabalha em Franca e Cristais Paulista. “Na Cocapec é sempre sem fila, desenvolve mais rápido e chegando no horário limite descarrega no dia. Quando fala que a carga é pra cá fico contente porque sei que posso me comprometer com outro serviço pois estarei liberado”. Quem também compartilha dessa opinião é Valdinei Dias Silva, que atua em Pedregulho. “Aqui na Cocapec é melhor e mais rápido, a estrutura o atendimento e a estrutura são muito bons, e quando trabalho trazendo café pra cá faço várias viagens, já cheguei a fazer 6 no mesmo dia”.  Já Robinson Clayton de Assis, que trabalha na região de Ibiraci/MG, destaca a estrutura como uma grande facilidade. “Com o tombador agiliza bastante, fica mais fácil, e não precisa esperar pra descarregar”.

Para receber um novo lote a moega é limpa para que não haja contaminação dos grãos do desembarque anterior. Os cafés são transportados por elevadores e depois distribuídos para os inúmeros silos através de esteiras. No silo central é realizado o “embegamento” nos big bags padronizados e devidamente identificados com os códigos de barra, que armazena todas as informações dos lotes.

A movimentação é realizada por empilhadeiras que estão equipadas por um dispositivo interligado ao sistema e que recebem informações dos procedimentos a serem realizados. Através do sensor que faz a leitura do código do big bag o operador confere a carga na tela e se dirige até a ala onde é efetuada uma segunda verificação, e finalmente o café armazenado.

Toda essa movimentação é acompanhada em tempo real pela sala de comando, pois o café é totalmente rastreado dentro da Cocapec, do momento em que é registrada a sua entrada até sua saída para o mercado. Com o uso da tecnologia, os processos atuam de forma integrada concedendo agilidade, controle e total segurança, demonstrando cuidado e respeito pelo trabalho do cooperado.

Durante todo o processo de “embegamento” são retiradas amostras que representam o lote. O material é direcionado ao setor de classificação que faz a análise física e sensorial dos grãos. Para isso, são separadas 142g para verificação de umidade, separação de defeitos e peneiras, ao final é registrado o percentual de catação do lote. Da própria mesa de trabalho, o classificador lança todas as informações no sistema que ficam disponíveis para equipe de provadores. As amostras continuam no estoque do setor até o momento em que o café é comercializado. Vale lembrar que todos os cafés que são entregues na Cocapec são classificados na matriz, o que permite padronização do trabalho dos profissionais e controle integral do processo, conferindo isenção e precisão amostrais.

Em seguida, em um recipiente devidamente identificado com as informações do cooperado é encaminhado para a análise sensorial. Todos os cafés são submetidos a prova e segue os critérios do COB (Classificação Oficial Brasileira). Após a análise de três profissionais chega-se a definição da bebida. Neste trabalho, quando surge alguma amostra com sinais de cafés diferenciados estes são encaminhados ao moderno Laboratório de Cafés Especais, onde os Q-Graders da cooperativa irão aplicar o protocolo SCA (Specialty Coffee Association) e fazer a pontuação. Posteriormente, os cooperados são informados sobre as características de seus cafés e definem como comercializá-los. Em média, a classificação é disponibilizada em 48 horas com informações disponíveis no extrato e no site.

A Cocapec possui ainda uma excelente estrutura de atendimento ao cooperado para auxiliá-lo no momento da venda de sua produção. Vale lembrar que além da matriz, todos os núcleos possuem profissionais para dar suporte ao associado. Essa proximidade o auxilia em um plano comercial e colabora na gestão de vendas, definindo juntos qual a melhor modalidade como o mercado físico, troca ou venda futura. Outro fator importante são os resultados da divisão de exportação que vem registrando crescimentos constantes, reflexo do trabalho realizado nos últimos tempos para abrir novos mercados para os café dos cooperados.

Com os seus 34 anos de experiência na cafeicultura a Cocapec oferece o melhor processo de recebimento de safra de toda a região pois une tecnologia, estrutura e profissionalismo, o que concede confiança e credibilidade, fatores imprescindíveis para o sucesso de qualquer negócio.

Fonte: Revista COCAPEC

 

 

 

Related posts

Cocapec cancela Simcafé em função do Coronavírus

Fabrício Guimarães

Câmara Setorial de Café elege novo presidente

Fabrício Guimarães

Equipamento permite compostagem acelerada de resíduos orgânicos e utilização de compostos como fertilizante

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário