0 C
Franca, BR
dezembro 7, 2019
  • Home
  • Agricultura
  • Ministério da Agricultura autoriza a liberação de mais 57 agrotóxicos
Agricultura Agroindustria Gestão Rural Política Rural

Ministério da Agricultura autoriza a liberação de mais 57 agrotóxicos

Publicada no Diário Oficial da União (DOU), decisão compreende 55 produtos genéricos e apenas dois inéditos

O Ministério da Agricultura (Mapa) publicou nesta quarta-feira (27), no Diário Oficial da União (DOU), a autorização do registro de mais 57 agrotóxicos. Deste total, 55 são produtos genéricos e apenas dois são inéditos, além de 12 serem produtos biológicos ou orgânicos, que podem ser usados tanto na agricultura orgânica quanto na tradicional.

De acordo com o Mapa, o objetivo de mais essa aprovação de produtos genéricos é aumentar a concorrência ao diminuir o preço dos defensivos, o que impulsiona a queda do custo de produção.

Entre os produtos liberados, consta um defensivo agrícola biológico à base da vespa Telenomus podisi, que poderá ser usado na agricultura brasileira para combater o percevejo marrom, praga agressiva à cultura de soja.

“Atualmente, o percevejo marrom é uma praga de grande importância na cultura da soja, que só contava com opções químicas para o seu controle. Esta vespa parasita ovos do percevejo marrom favorecendo uma diminuição populacional da praga e aumentando o número de inimigos naturais no campo”, explicou, em nota, o coordenador de Agrotóxicos e Afins do Ministério da Agricultura, Carlos Venâncio.

Dos 12 produtos biológicos, um deles é formulado à base de óleo de casca de laranja, apresentando baixa toxicidade, podendo ser usado no combate do pulgão em pequenas culturas como alface, agrião, brócolis, couve, couve-flor, espinafre, repolho e rúcula.

Aprovações e suspensões

Nesta semana, foi suspensa a liberação de 63 agrotóxicos que haviam sido aprovados para uso pelo governo em setembro. Autor da ação popular, que acarretou a suspensão, o deputado federal Célio Studart (PV-CE) falou à Globo Rural sobre a preocupação de o Ministério do Meio Ambiente “se omitir” nas questões da liberação dos defensivos.

“É compreensível que o presidente do Brasil tenha respeito ao agronegócio. Mas é preocupante que isso seja mais importante que a preocupação ambiental. E, o Ministério do Meio Ambiente, que deveria ser o equilíbrio dessa balança não cumpre essa função e faz as vezes de um segundo Ministério da Agricultura”, diz Studart.

Segundo ele, é necessário reconhecer a relevância do agronegócio no Brasil, mas “o que se não pode fazer é essa liberação desenfreada”. “Você não pode colocar a saúde dos brasileiros, do consumidor, abaixo da produção. A produção é importante, mas tem que ser balanceada. A ideia de desenvolvimento sustentável é exatamente essa”, ele fala.

Fonte: Globo Rural

Related posts

Ervas daninhas: conheça as técnicas de manejo sem agroquímicos

Criação de suínos em família reduz uso de antibióticos

Fabrício Guimarães

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO IMPLANTA CIDADANIA NO AGRO

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário

Login

X

Resgistrar