0 C
Franca, BR
julho 27, 2021
Agricultura Notícias

IRRIGAÇÃO DA BANANEIRA POR GOTEJAMENTO

 

A banana é uma fruta de grande importância mundial e o quarto alimento vegetal mais consumido no mundo, superada pelo arroz, trigo e milho. O método de irrigação a ser utilizado depende das condições do solo, clima, topografia, suprimento hídrico disponível e aporte tecnológico do produtor. Os métodos pressurizados: aspersão, microaspersão e gotejamento são os mais utilizados.(1)

O Brasil é o terceiro maior produtor mundial de banana, com 6,4 milhões de toneladas, embora a produtividade brasileira média ainda seja baixa, apenas 12,5 t/ha. O método da irrigação localizada, pela maior eficiência e menor consumo de água e energia, tem sido o mais recomendado, principalmente em regiões onde o fator água é limitante. A utilização da irrigação localizada tem sido preferida pelos agricultores em decorrência das suas vantagens em relação aos demais sistemas de irrigação, apesar de o seu custo de implantação ser maior inicialmente.

Métodos usuais de irrigação

O método da aspersão é o que molha completamente todo o solo (área molhada de 100%), e quando usado, os aspersores devem ficar a 1 m do solo, com ângulo de inclinação no máximo de 7 graus.

No caso da microaspersão, usar um microaspersor de vazão superior a 45 L/h, para quatro plantas, preferencialmente dispostas em fileiras duplas.

No caso do gotejamento, deve-se usar pelo menos dois gotejadores por planta, preferencialmente em faixa continua. É o sistema de menor área molhada, podendo, portanto, não ter o resultado dos anteriores.

A irrigação localizada apresenta maior eficiência relativa (85% a 95%), quando comparada com os demais métodos. A principal desvantagem desse sistema é o elevado custo inicial de investimento, em especial em relação à irrigação por sulcos.

O número de emissores por cova depende do espaçamento de plantio, do tipo de solo e, mais precisamente, do tamanho do bulbo molhado formado pelo gotejador. Quando a cultura é plantada em espaçamentos mais adensados, pode-se optar pelo gotejamento em faixa, com uma linha lateral por fileira de planta e gotejadores espaçados entre 0,30 m, para solos de texturas arenosa, e 0,50 m, para solos de textura média e argilosa. No caso de espaçamentos maiores, pode-se dispensar o uso do gotejamento em faixas e adotar dois gotejadores por cova.

No caso da microaspersão, devem ser usados microaspersores de vazões superiores a 45 L/h, para quatro plantas, de forma que se obtenha maiores áreas molhadas. Pode ser utilizado um emissor para 2 ou 4 plantas.

.

Necessidade de água

Estudos mostram que aproximadamente 80% da bananeira é composta por água. Quanto maior a área foliar, maior a produção de frutos e, consequentemente, maior o consumo de água. Em média, estima-se que uma bananeira necessite de 18 a 20 litros de água por dia(2)

O cálculo da lâmina de irrigação a ser reposta ao solo leva em conta os valores da profundidade efetiva do sistema radicular (mm) e da redução máxima permissível da disponibilidade de água no solo (decimal) sem causar redução significativa (física e econômica) na produtividade da cultura. Sugere-se usar valores para f entre 30% e 35%. Tem-se verificado que mais de 86% da extração de água pelas raízes ocorre até 0,40 m de profundidade, embora o sistema radicular, dependendo do tipo de solo, possa chegar a 2,0 m.

As vazões de cada gotejador geralmente variam de 2 a 10 L/h e dentre suas vantagens estão a grande economia de água e energia e a excelente uniformidade de aplicação de água, comparado a outros tipos de irrigação (Mantovani et al., 2007).

Configurações dos sistemas

Uma vez escolhido o método de irrigação, o passo seguinte é configurar o sistema de irrigação, escolhendo adequadamente o número de emissores a serem utilizados, a vazão e a disposição dos mesmos em relação à planta. O efeito poderá variar em função das condições de solo e do clima local. (3)

Estudos no Projeto Jaíba – MG mostraram que 98% das raízes da bananeira irrigadas por aspersão e microaspersão, concentram-se até a profundidade de 40 cm. Em microaspersão, 93% da massa seca das raízes concentram-se até em 60 cm de profundidade. No gotejamento, foram encontradas profundidades efetivas do sistema radicular entre 25 e 60 cm.

Gotejamento

Ao se utilizar a irrigação localizada na cultura da bananeira, o volume de solo molhado, medido na faixa de 30 cm a 40 cm de profundidade, onde se concentram as raízes de absorção, não deve ser inferior a 40% da área ocupada por planta. Garante-se com isso que mais de 90% do sistema radicular seja irrigado, o que favorece o processo de transpiração da cultura (Rodrigo Lopez & Hernandez Abreu, 1981).

Projeto de Gotejamento para 3 Hectares

REF. (1) Sistema de Produção da Bananeira Irrigada.

https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/110622/1/Sis…

(2) Manejo de fertirrigação para aumentar produtividade de banana

https://www.grupocultivar.com.br/artigos/sede-de-nutricao

(3) Irrigação da bananeira, Coelho E.F., Embrapa, 2012.

http://www.ifbaiano.edu.br/reitoria/wp-content/uploads/2013/02/livr…

Related posts

Maçã: Ritmo de vendas está lento

Fabrício Guimarães

JBS ampliará em 50% capacidade produtiva da unidade de Ituiutaba

Fabrício Guimarães

Balanço de oferta de café no mundo deve entrar em superávit em 20/21, diz corretora

Deixe um comentário