0 C
Franca, BR
agosto 4, 2020
Agricultura Agroindustria Cursos e Palestras Eventos Gestão Rural

Fique por dentro dos destaques da Semana Internacional do Café

Maior feira do segmento no Brasil movimentou toda a cadeia produtiva entre os dias 20 e 22 de novembro no Expominas, em Belo Horizonte-MG

Um grande evento com celebrações memoráveis. Foi assim a Semana Internacional do Café – SIC 2019, que movimentou toda a cadeia produtiva do café entre os dias 20 e 22 de novembro em Belo Horizonte-MG. A maior feira do segmento no Brasil teve três dias agitados, de encontros e reencontros em meio a xícaras que deixaram os pavilhões do Expominas bem acelerados, literalmente.

A feira, que nasceu em São Paulo na década passada, encontra-se no auge. A edição deste ano reuniu mais de 20 mil pessoas, entre produtores, torrefadores, baristas e exportadores. O evento contou também com lançamentos de maquinários e acessórios que atendem a toda a cadeia, além da visita de aficionados pela bebida, que buscam saber e provar, em primeira mão, o que há de novo no universo do café.

Além dos expositores, o evento abrigou os campeonatos brasileiros de barismo e o aclamado prêmio Coffee of the Year, que consagra os melhores cafés nas categorias arábica e robusta (conilon) por meio do voto dos visitantes.

MAQUINÁRIO

Hoje os setores da economia precisam acompanhar as novas tecnologias, com máquinas que aliam design e automação para facilitar o trabalho humano. Nos últimos anos, nós, que trabalhamos em cafeteria servindo espresso, pudemos contar com lançamentos incríveis.

Na edição atual da SIC destaco a chegada dos modelos da Slayer, fabricante norte-americana de máquinas de café espresso, e o lançamento da KB90, da italiana La Marzocco, com funcionalidades completamente diferentes das máquinas já existentes no mundo. É praticamente uma nova forma de se trabalhar no dia a dia do barista. Infelizmente, esses novos modelos demoram a chegar ao Espírito Santo, e, quando chegam, têm elevado valor para aquisição.

NOVAS VARIEDADES

Se há pouco tempo falávamos apenas de bourbon, mundo novo, catuaí, catucaí e iapar, agora vamos nos familiarizando com novos nomes e sabores das variedades de café arábica que começam a dar frutos pelas regiões produtoras. São elas: geisha, 2sl, arara, oeiras, catiguá, pacamara, entre outras. Esses novos varietais apresentam uma gama de notas gustativas e complexidades diferentes das que já temos pelo país e vêm para agregar.

TORREFAÇÕES

A ciência e a arte de torrar café, aprimora-se cada dia mais, entregando aos consumidores o que de melhor o produtor faz com a sua lavoura. Entre as xícaras de maior sucesso no evento, destaco o lançamento do icatu amarelo, seco em processo natural, do Sítio Santa Rita (Caparaó), cujo lote ganhou o nome Margarida em referência afetiva ao nome da matriarca da família Lacerda. Também gostei bastante do catucaí 785, natural, do Sítio Bela Vista (Caparaó), e do catuaí vermelho, natural, do Sítio Cabaço (Chapada Diamantina).

CAMPEONATOS DE BARISTA

Um dos pontos altos da feira são as disputas pelos troféus de barismo, que movimentam a cena pelas grandes cidades do país e ainda garantem vaga no torneio mundial. A SIC sediou desta vez o Cup Tasters, disputa entre provadores de café; o Campeonato de Barista, que envolve a máquina de espresso e faz necessária apresentações de espresso, de bebida com leite e de um drinque de assinatura; e o Campeonato de Brewers, com o desafio da xícara de café filtrado perfeita. Os campeões foram: Phelippe Nascimento (MG) no Cup Tasters, Leo Moço (PR) no Barista e Julia Fortini (MG) no Brewers.

COFFEE OF THE YEAR

É o auge! Sem dúvidas, a escolha do melhor café movimenta os corredores da feira, tanto nas provas das garrafas como no seu anúncio, que acontece no último dia, no auditório principal. As amostras de café são enviadas por produtores, seguem para um júri especializado, que faz uma pré-seleção, e são apresentadas codificadas durante o evento em garrafas para os visitantes provarem e darem o seu veredicto.

Na categoria robusta (conilon) temos um bicampeão do Espírito Santo, produzido por Neuza Maria da Silva e Luiz Claudio de Souza, do Sítio Grãos de Ouro (Muqui). Na categoria arábica, o título ficou com Willians Valério, do Sítio Recanto dos Tucanos (Caparaó).

Fonte: A Gazeta

Related posts

VBP da agropecuária fica estável em

Fabrício Guimarães

Boi: clima e oferta curta mantêm os preços em alta no Brasil

Fabrício Guimarães

Resíduos de agrotóxicos em alimentos estão dentro do limite permitido, diz Tereza Cristina

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário