0 C
Franca, BR
fevereiro 26, 2021
Agricultura Agroindustria Gestão Rural

Com colheita de café arábica no fim, poder de compra do produtor segue limitado

A colheita de café arábica da safra 2019/20 está sendo finalizada no Brasil. Em todas as praças acompanhadas, produtores realizam as catações finais, restando apenas de 3 a 5% dos grãos nas lavouras, segundo indicam agentes consultados pelo Cepea.

Com a finalização das atividades, cafeicultores voltam as atenções ao desenvolvimento da temporada 2020/21, que será de bienalidade positiva. Até o momento, floradas pontuais foram observadas nas regiões de arábica, sendo necessário um maior volume de chuvas para uma floração mais significativa. Neste cenário, os tratos nas lavouras, como adubações de cobertura, devem ser iniciados em breve.

No entanto, com as fortes quedas nos preços do café ao longo deste ano, o poder de compra de produtores que ainda precisam realizar a aquisição de insumos segue limitado. Na média parcial de agosto (até o dia 26), o Indicador CEPEA/ESALQ do café arábica tipo 6 caiu 8,8% frente à de agosto/18, em termos reais (valores deflacionados pelo IGP-DI de jul/19).

Diante disso, produtores de café arábica (Norte do Paraná, São Paulo, Cerrado e Sul Mineiro) ainda precisam de 3,8 sacas do grão para comprar uma tonelada do adubo formulado 20-00-20, semelhante ao visto em agosto/18 (3,7 sacas).

Com o poder de compra dos produtores reduzido, agentes consultados pelo Cepea sinalizam preocupação. Parte dos produtores se descapitalizou em 2019 e, com as perspectivas de maior oferta em 2020/21– devido à bienalidade positiva dos cafezais –, as cotações podem seguir em baixos patamares, limitando os tratos culturais nos próximos meses.

ROBUSTA

Nas lavouras de robusta, as atenções também estão na 2020/21. Até o momento, as flores já foram observadas em 70% dos cafezais do Espírito Santo e produtores do estado já se preparam para a realização das adubações. Em Rondônia, chuvas ainda são necessárias para a abertura de uma florada de boas proporções.

O poder de compra dos produtores de robusta é ainda inferior ao dos de arábica. No Espírito Santo, cafeicultores precisam de 6,8 sacas de robusta tipo 7/8 – tipo mais comercializado – para adquirir uma tonelada de adubo de formulação 20-00-20 em agosto, sendo que, no mesmo mês do ano anterior, eram precisos apenas 4,7 sacas para a mesma compra. Na parcial de agosto (até dia 23), o Indicador CEPEA/ESALQ do robusta está 17,3% inferior ao de agosto de 2018, em termos reais.

Fonte: Agência Estado

Related posts

Netafim desenvolve tecnologia de irrigação subterrânea em conilon

Fabrício Guimarães

Diretora da BSCA afirma que começa a retomada das vendas dos cafés especiais para o exterior

Fabrício Guimarães

ADAMA demonstra novidades para as culturas da soja, algodão, HF e café

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário