0 C
Franca, BR
agosto 4, 2020
Agricultura

CLASSIFICAÇÃO DO CAFÉ

No Brasil ,basicamente o café costuma ser classificado pelo sabor da bebida e pelo tipo físico e defeitos que os grãos apresentam

O café especial tem surgido com bastante força no mercado nacional, devido ao grande interesse do consumidor em apreciar diferentes tipos e variedades de café, por isso a importância da classificação do café verde, processo esse que vai mostrar ao produtor todo o resultado de sua colheita.

No Brasil ,basicamente o café costuma ser classificado pelo sabor da bebida e pelo tipo físico e defeitos que os grãos apresentam. O sistema utilizado e o COB (classificação oficial brasileira).

A classificação do café por tipo é feita com base na contagem dos grãos defeituosos ou das impurezas contidos numa amostra de 300g de café beneficiado. Esta classificação obedece à Tabela Oficial para Classificação, de acordo com a qual cada tipo de café corresponde a um número maior ou menor de defeitos encontrados em sua amostra.

São considerados defeitos os grãos imperfeitos (chamados defeitos intrínsecos) – grãos pretos, ardidos, verdes, chochos, concha, miolo de concha ,mal granados, quebrados e brocados – e as impurezas (defeitos extrínsecos) – tais como cascas, paus, pedras, cafés em coco ou marinheiros encontrados na amostra. A cada um desses grãos imperfeitos ou impurezas corresponde uma medida de equivalência de defeitos, que rege a classificação por tipo.

Para proceder à classificação, amostras de 300 g de café são recolhidas e acondicionadas em latas apropriadas. A seguir, em uma mesa provida de boa iluminação, a amostra é espalhada sobre uma folha de cartolina preta. Os defeitos são separados e contados segundo a Tabela de Equivalência de Grãos Imperfeitos e Impurezas.

Para conhecer a qualidade da bebida, realiza-se a prova da xícara, pela qual o provador avalia as características de gosto e aroma do café. A classificação da bebida tem dois objetivos fundamentais: conhecer a qualidade do café a ser comercializado e definir as ligas ou blends que valorizem determinados lotes de café. Segundo a classificação oficial, o café brasileiro apresenta sete escalas de bebidas:

– Mole: tem sabor agradável, suave e adocicado (Café Gourmet entre 80 a 82 pontos)
– Estritamente Mole: apresenta todos os requisitos de aroma e sabor da bebida mole, mas de forma mais acentuada (Café Especial, acima de 82 pontos)
– Apenas Mole: tem sabor suave, mas sua qualidade é inferior à dos anteriores, com leve adstringência ou aspereza no paladar (Café Superior)
– Dura: apresenta gosto acre, adstringente e áspero (Café Superior)
– Riada: tem leve sabor de iodofórmio (Café Tradicional)
– Rio: tem cheiro e gosto acentuados de iodofórmio (Café Tradicional)
– Rio zona, macaco: são denominações regionais para qualificar bebidas com características desagradáveis, bem mais acentuadas que as da bebida rio (Café Tradicional)

As bebidas Rio e Rio zona lembram muito o gosto de dipirona! É isso, como podemos ver cada processo para se chegar á um bom café tem que ser bem elaborado e feito de acordo com protocolos pré-estabelecidos. O importante é quando for apreciar um café, procure perceber algumas características que se destacam, assim você poderá fazer comparações e chegar a uma conclusão.
Até a próxima e bons cafés!!  @cafeecobr

Fábio Rios é geográfo de formação e coffee hunter de profissão e por paixão

Fonte: Todo Dia

Related posts

Demanda e renumeração incentivam produção de etanol

Copom reduz Selic para 5,5% ao ano

Fabrício Guimarães

Informe Revista Agromogiana: Cotações do arábica iniciam sessões desta segunda-feira (09), no vermelho na Bolsa de NY

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário