0 C
Franca, BR
julho 27, 2021
Agricultura Agroindustria Gestão Rural

Censo do IBGE mostra aumento do número de mulheres em unidades agropecuárias

A participação de mulheres na direção dos estabelecimentos agropecuários aumentou entre 2006 e 2017, passando de 12,7% para 18,7% do total de 5,056 milhões de produtores, com um total de 946 mil mulheres. Além disso, outras 817 mil participam da direção do estabelecimento de forma compartilhada com o cônjuge.

É o que mostram os resultados definitivos do Censo Agropecuário 2017, divulgado na última sexta-feira (25), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa fez uma fotografia do campo brasileiro no dia 30 de setembro de 2017, com dados relativos ao período entre (01) de outubro de 2016 e a data base.

Para o gerente do censo, Antônio Florido, pode estar havendo uma substituição no comando por diversas razões. “Não é que o campo esteja atraindo mulheres. É uma substituição de comando por envelhecimento, ou falecimento, aposentadorias, ou porque o marido teve que buscar outra atividade para manter a família e as mulheres então aparecem assumindo essa função”.

A pergunta sobre raça e cor entrou pela primeira vez no censo agropecuário em 2017. Os resultados mostram semelhanças com a distribuição constatada nos censos demográficos brasileiros, como a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (PNAD Contínua) 2017. Foi verificado que 45,4% dos produtores eram brancos, 44,5% pardos, 8,4% pretos, 1,1% amarelos e 0,6% indígenas.

Envelhecimento

Quanto à idade, o censo revela que não há renovação geracional nos estabelecimentos agrícolas. Se o comando das atividades por menores de 25 anos era de 3,3% em 2006, a proporção caiu para 2% em 2017, enquanto a participação de maiores de 65 anos subiu de 17,5% para 23,2%. Na faixa entre 25 e 35 anos, a taxa caiu de 13,6% para 9,3% e entre 55 e 65 anos passou de 20,4% para 23,5%. Isso se refletiu também no aumento de 92% no número de produtores que recebem aposentadoria.

Para o gerente do censo, é um motivo de preocupação. “Há um envelhecimento natural, o produtor está envelhecendo, foram 11 anos desde o último censo. Só que não está havendo uma reposição de produtores com idades menores. É preciso, e já há políticas para fixar o jovem no campo, para dar condições dele se manter no campo com qualidade de vida”.

Escolaridade

Com relação à escolaridade, comprova-se a falta de acesso à educação formal no campo. Cerca de 15,5% dos mais de 5 milhões de produtores nunca frequentaram a escola e 23,03% declararam não saber ler e escrever. Do total, 73% cursaram apenas o ensino fundamental, sendo que 66,5% destes não concluíram a fase. Verificou-se uma melhora na taxa de analfabetismo, já que em 2006, 24,5% não sabia ler nem escrever. Do total de produtores, 283 mil cursaram a graduação e 14,5 mil fizeram mestrado ou doutorado.

Fonte; Globo Rural

Related posts

BRASIL DEVERÁ GANHAR AINDA MAIS PESO NO COMÉRCIO GLOBAL

Fabrício Guimarães

Plano de Desenvolvimento da Aquicultura será concluído em breve

Fabrício Guimarães

Ministra destaca importância de sistema de rastreabilidade para a pecuária do país

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário