17.7 C
Franca
janeiro 22, 2022
Agricultura

Café tem mais um dia de valorização com suporte na quebra das principais origens produtoras

O mercado futuro do café arábica encerrou as cotações desta quarta-feira (12) com valorização para os principais contratos. O café arábica avançou mais de 1% no exterior, ainda com suporte na quebra de oferta global do grão que segue preocupando o setor cafeeiro nas principais origens produtoras de café.

Março/22 teve alta de 380 pontos, valendo 240,85 cents/lbp, maio/22 teve alta de 365 pontos, negociado por 240,65, julho/22 teve valorização de 335 pontos, negociado por 239,75 cents/lbp e setembro/22 teve alta de 310 pontos, cotado por 238,80 cents/lbp.

“A oferta reduzida de arábica, juntamente com a valorização do real brasileiro, está apoiando os ganhos do café arábica hoje”, destacou a análise do site internacional Barchat. No Brasil, a Emater-MG divulgou que a safra de 2022 não deve ultrapassar os números de 2021, de 31.42 milhões de sacas. É importante destacar que antes da seca prolongada e das geadas, a produção do Brasil era estimada em uma super safra neste ano.

A Federação Nacional dos Cafeicultores (FNC) divulgou nesta quarta-feira recuo de 21% na produção de café no mês de dezembro. No acumulado anual de 2021 foi registrado recuo de 9% em comparação com 2020. A redução na produção colombiana aumenta ainda mais a preocupação do setor cafeeiro.

Na Bolsa de Londres, os contratos do conilon também encerraram o dia com valorização. Março/22 teve alta de US$ 14 por tonelada, valendo US$ 2282, maio/22 teve valorização de US$ 17 por tonelada, cotado por US$ 2233, julho/22 teve alta de US$ 17 por tonelada, valendo US$ 2221 e setembro/22 encerrou com valorização de US4 17 por tonelada, valendo US$ 2216.

No Brasil, o mercado interno acompanhou e encerrou com valorização nas principais praças de comercialização do país.

O tipo 6 bebida dura bica corrida teve alta de 1% em Guaxupé/MG, negociado por R$ 1.510,00, Poços de Caldas/MG teve alta de 1,38%, valendo R$ 1.470,00, Araguarí/MG teve alta de 1,35%, negociado por R$ 1.500,00, Varginha/MG teve alta de 0,66%, valendo R$ 1.530,00, Campos Gerais/MG teve alta de 1,34%, valendo R$ 1.518,00 e Franca/SP teve valorização de 1,97%, valendo R$ 1.550,00.

O tipo cereja descascado teve alta de 0,95% em Guaxupé/MG, negociado por R$ 1.600,00, Poços de Caldas/MG teve alta de 1,30%, valendo R$ 1.560,00, Varginha/MG registrou alta de 1,91%, valendo R$ 1.600,00 e Campos Gerais/MG encerrou com valorização de 1,28%, valendo R$ 1.578,00.

Related posts

Cafés de origem controlada: um caminho para alinhar produtores às tendências de consumo

Fabrício Guimarães

Cadeia produtiva do café se une para manutenção do CDPC

Fabrício Guimarães

CMN ajusta normas do Programa de garantia de preços para Agricultura Familiar

Fabrício Guimarães

Deixe um comentário