0 C
Franca, BR
julho 27, 2021
Agricultura ARTIGOS TEC.

AMARELÃO EM PLANTAS NOVAS DE CAFÉ, POR DEFICIÊNCIA INDUZIDA, DE FERRO E MANGANÊS

As plantas de café, ainda novas no campo, podem apresentar um amarelão na folhagem, cuja causa principal tem sido uma deficiência induzida de ferro ou manganês.

O ferro e o manganês são  micro-nutrientes, exigidos pelas plantas de café em pequenas quantidades. A função do ferro  está ligada à sintese da clorofila e de algumas proteinas que compõem os cloroplastos. O manganés, igualmente, atua na síntese dos cloroplastos e é um ativador de enzimas, estimula o crescimento celular e das raizes. Pelo fato de atuarem nos cloroplantos surge  a cor amarelada das folhas.

                O ferro e o manganês, normalmente, estão presentes no solo em boas quantidades em áreas cafeeiras, cujos solos são predominantemente de cores amarelas ou avermelhadas (sendo ricos em óxidos de Fe e Mn) e não têm problema de enxarcamento, tendo bom arejamento. No entanto, alguns fatôres no solo podem reduzir suas disponibilidades, induzindo deficiências.

                Nas lavouras novas de café três condições do solo afetam a disponibilidade de ferro e manganês para as plantas. Um pH muito alto, o excesso de fósforo e uma eventual falta de arejamento. No pós-plantio do cafeeiro, especialmente sobre áreas antes com café, onde  o solo já vinha sendo corrigido por vários anos,  é comum o aparecimento de plantas amareladas, deficientes em ferro e manganés. Isso se deve à dose de calcário colocada na cova/sulco de plantio. a qual, nessa condição de solo já corrigido, eleva demasiado o pH alí dentro do sulco/cova e induz a deficiência. A pesquisa mostra que a cada unidade de pH que se eleva a disponibilidade de ferro e manganês fica muito reduzida. Pode, ainda, haver um efeito associado com muito fósforo, igualmente colocado no sulco/cova antes do plantio.

                Deste modo, surgem no campo plantas novas de café, de forma salteada, com a presença de sintomas de deficiência de ferro e manganês, iniciando por um amarelecimento das folhas novas, na forma de um rendilhado, pois as nervuras das folhas permanecem verdes. No caso da deficiência de manganês, que, normalmente, ocorre juntamente com a deficiência de ferro, já que as condições que induzem deficiência são semelhantes, as folhas apresentam um amarelão geral com algumas manchas de cor verde mais escura e sem o rendilhado das nervuras, como na deficiência de ferro.

Nas fotos aqui incluidas, tomadas em duas lavouras novas no Sul de Minas, pode-se observar os sintomas do amarelão da folhagem. Com a evolução as folhas podem tomar a cor esbranquiçada. A ocorrência da deficiência de forma irregular dentro da lavoura, ou seja, em plantas isoladas, se deve àquela condição especial junto da cova ou da linha de plantio, coincidindo num ponto ou em porções do sulco onde o solo estava mais corrigido ou, então, onde caiu mais calcário.

                Para a correção da deficiência podem ser adotados dois caminhos complementares. Aplicar adubos acidificantes, como os nitrogenados, em cobertura, os quais reduzindo, gradativamente, o pH do solo, voltam a aumentar a disponibilidade do ferro e do manganês. Indica-se, ainda, pulverizações com sulfato ferroso e sulfato de manganês,  a 0,5-1,0%, para acelerar a correção das deficiências. O uso de adubos orgânicos, ricos em ferro e manganês, também ajudam na correção. O uso de fontes de ferro ou manganês no solo, em cobertura, não resulta positivo, pela dificuldade do ferro e manganês (como o zinco e o cobre) de se deslocarem em profundidade.

J.B Matiello – Eng Agr Fundação Procafé e Lucas H. Figueiredo, Lucas Franco, J. Renato Dias e Hernane Souza –  Engs Agrs Fdas Sertãozinho.

              

Related posts

Governo abre renegociação para dívidas de Funrural e ITR Funrural e ITR

Fabrício Guimarães

BSCA lança competição para estimular preparo de café coado na China

Cocapec , ACIF e Magazine Luiza doam 2 mil testes de COVID-19 a Franca

Deixe um comentário