0 C
Franca, BR
fevereiro 26, 2021
Agricultura Agroindustria Gestão Rural

Abrapa quer ter pelo menos 95% da produção nacional certificada até 2020

De acordo com diretor da entidade, há demanda pela pluma originária de fazendas com atestado de boas práticas sociais, ambientais e econômicas

A Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) espera ter até 2020 quase toda a produção certificada segundo critérios de sustentabilidade e boas práticas. Atualmente, essa proporção está em 86% da colheita anual, o que confere ao país a posição de maior fornecedor global de fibra certificada, com 31% de participação no mercado, de acordo com estimativas da entidade.

“É para atender uma demanda que vem do consumidor. Para o mundo todo, a Europa, que são consumidores preocupados em, ao adquirir uma peça de algodão, não estará contribuindo com degradação, ter essa comprovação. A Abrapa vem trabalhando desde 2005 e hoje estamos em um processo de maturidade, com metas claras”, afirmou o diretor executivo da Abrapa, Marcio Portocarrero.

Portocarrero participou de painel de discussões sobre a sustentabilidade na cadeia produtiva da pluma no 12º Congresso Brasileiro do Algodão, realizado pela entidade, em Goiânia (GO). Explicou que a meta é ter pelo menos 95% da produção certificada. Segundo ele, é difícil chegar aos 100% porque a metodologia pressupõe o plantio por vários anos seguidos e existe uma parcela de produtores que podem semear a fibra em um ano e em outro não.

No âmbito da Abrapa, a certificação é feita através do programa Algodão Brasileiro Responsável (ABR). Segundo Portocarrero, o cotonicultor deve ter sua produção em conformidade com 224 critérios sociais, ambientais e econômicos. A adesão é espontânea. Quando decide certificar seu algodão, o produtor recebe visitas técnicas na fazenda. Depois de corrigidas eventuais não conformidades, são feitas auditorias e, caso passe dessa fase, é feita a certificação.

“No início, é entendido como gasto extra, mas, depois, ele percebe um ganho e um retorno do investimento. Ao final, ele tem um programa de gestão eficiente da sua produção”, ressaltou Portocarrero. Além da certificação ABR, o cotonicultor pode obter o licenciamento Better Cotton Iniciative (BCI), de âmbito internacional.

Nas estimativas da Abrapa, apresentadas pelo diretor executivo durante o painel no Congresso, as propriedades certificadas têm apresentado, em média, 7% a mais de produtividade em relação às não certificadas. Na mesma comparação, a redução de custos é estimada em até 20%.

Pegada hídrica

O painel em que foi discutida a sustentabilidade na cadeia produtiva do algodão teve a participação de Chiara Gadaleta, fundadora do portal Ecoera, que promove a discussão sobre práticas consideradas sustentáveis em setores como moda, beleza, design e gastronomia. Segundo ela, a moda um setor que, até alguns atrás, estava desconectado do debate sobre as boas práticas e a sustentabilidade.

“A mudança de mentalidade jáural é um grande ganho. A moda é um retrato do seu tempo”, disse ela, acrescentando que, há pelo menos dois anos, vem fomentando discussões sobre o uso da água na produção de roupas.

Em parceria com a indústria têxtil Vicunha, a Ecoera fez um estudo para estimar quantos litros de água são utilizados na produção de uma calça jeans no Brasil, desde o plantio do algodão até o descarte do produto final pelo consumidor. Baseada em uma metodologia global chamada de Water Footprint Network, o trabalho concluiu que o consumo chega a 5,196 mil litros por peça.

Fonte: Globo Rural

Related posts

COCAPEC inaugura nova unidade em São Tomás de Aquino

Fabrício Guimarães

Análise do Mapa mostra que sementes recebidas por brasileiros contêm pragas que não existem no país

Fabrício Guimarães

CNA reafima importância do glifosato para agricultura brasileira

Deixe um comentário